Internacional Campeão da Recopa Sul-Americana de 2011

O capitão Bolívar ergue a taça de campeão da Recopa Sul-Americana der 2011;
Crédito: www.gettyimages.com/Jefferson-Bernardes/AFP
Ficha Técnica – Ceará Sporting Club
Vozão Inter 3 x 1 Independiente
Resultado Agregado: SC Internacional 4 x 3 Independiente
Escudo
Ficha Técnica 11 de 2018







Competição (Tournament): Recopa Sul-Americana de 2011 – Final – 2º Jogo
Data (Date): Quarta-Feira, 24 de Agosto de 2011, as 21:50 hs (Hora Local)
Estádio (Stadium): SC Internacional – Beira-Rio, Porto Alegre/RS (BRA)
Público (Attendance): 39.069 pagantes – Renda: R$ 1.254.240,00
Árbitro Principal (Referee): Jorge Luis Larrionda Pietrafesa (Uruguai / Uruguay)
Assistente 1 (Assistant Referee 1): Pablo Fandiño (Uruguai / Uruguay)
Assistente 2 (Assistant Referee 2): Mauricio Espinosa (Uruguai / Uruguay)
Quarto Árbitro (Fourth Oficial): Liber Prudente (Uruguai / Uruguay)
Advertências | Cautions | Sent Off
Maxi Velázquez, 22’/1º
Eduardo Tuzzio, 34’/1º
Osmar Ferreyra, 32’/2º
Hernán Fredes, 40’/2º
Gols | Goals | Goles
1-0 Leandro Damião, 18’/1º 1-2 Maxi Velázquez, 2’/2º
2-0 Leandro Damião, 24’/1º
3-1 Kléber, 37’/2º (Pênalti)
Sport Club Internacional Club Atletico Independiente
Gk
Df
Df
Df
Df
Mc
Mc
Mc
Mc
At
At
01 Muriel
02 Nei
03 Índio
04 Bolívar
06 Kléber
05 Pablo Guiñazu ©
20 Élton
16 Oscar
10 Andrés D’Alessandro (Andrezinho, 68′)
11 Guilherme Dellatorre (Jô, 71′)
17 Leandro Damião
Gk
Df
Df
Df
Df
Mc
Mc
Mc
Mc
At
At
01 Hilario Navarro
02 Julián Velázquez
06 Eduardo Tuzzio
18 Gabriel Milito ©
03 Maximiliano Velázquez
08 Hernán Fredes (Núñez, 86′)
07 Cristian Pellerano
22 Iván Pérez (Vélez, ht)
11 Osmar Ferreyra (Defederico, 86′)
19 Marco Pérez
17 Facundo Parra
Coach: Antonio Mohamed Coach: Dorival Júnior
Gk
Df
Mc
Mc
Mc
Mc
At
12 Renan
15 Juan Jesus
07 Tinga
17 Andrézinho, aos 24’/2º
Vinicius Rocha
Ricardo Goulart
18 Jô, aos 26’/2º
Gk
Df
Df
Mc
Mc
At
At
21 Fabián Assmann
13 Iván Pérez, no Intervalo
23 Adrián Agachá
05 Roberto Battión
16 Nicolás Cabrera
09 Leonel Núñez, aos 41’/2º
20 Matías Defederico, aos 41’/2º
Tempo Normal Prorrogação Penalidades
1º Tempo 2º Tempo Final 1º Tempo 2º Tempo Final Boca Cienciano
2 x 0 1 x 1 3 x 1
→ Com esse resultado o Internacional sagrou-se campeão da Recopa pela 2ª vez (2007,2011);
→ Esta foi a terceira final do Independiente (2º vice) e do Internacional (2º título);
→ Melhor Jogador do Jogo (Man of the Match): Sem Registro;
→ Internacional: Camisa Vermelha, Calção Branco e Meias Brancas;
→ Independiente: Camisa Azul-Marinho, Calção Azul-Marinho e Meias Azul-Marinho;
→ Internacional (Brasil): Campeão da Copa Libertadores da América de 2010;
→ Independiente (Argentina): Campeão da Copa Sul-Americana de 2010;
→ A Recopa Sul-Americana foi um torneio criando pela CONMEBOL disputado, anualmente, entre o Campeão da Copa Libertadores e o campeão da Copa Sul-Americana do ano anterior;
→ A partir de 2003 o segundo representante passou a ser o Campeão da Copa Sul-Americana;
→ Jogo Anterior: 10/08 – Independiente x Inter, Estadio Libertadores da America; (Ficha do Jogo)

.:: Galeria de Imagens ::.
Em pé: Muriel (goleiro), Índio, Kléber, Vinicius Rocha, Renan (goleiro), Juan, Bolívar, Ricardo Goulart, Jô e Andrezinho; Agachados: Leandro Damião, Oscar, Andrés D’Alessandro, Nei, Guilherme Dellatorre, Tinga, Élton, Pablo Guiñazu, Rodrigo Moledo e Wilson Matias;
Crédito: www.gettyimages.com/Jefferson-Bernardes/AFP
Em pé: Gabriel Milito , Hilario Navarro, Júlian Velázquez, Cristian Pellerano, Eduardo Tuzzio e Maxi Velázquez; Agachados: Marco Pérez, Osmar Ferreyra, Facundo Parra, Hernán Fredes e Iván Pérez;
Crédito: www.gazetapress.com/Edu-Andrade
Confira os lances da final da Recopa Sul-Americana;
Crédito: www.youtube.com/@pnlopes


Crônica do Jogo


É uma fonte que não seca, é uma rotina que não cansa, é uma história escrita sem ponto final. Ano após ano, desde 2006, o Inter conquista pelo menos um título de nível internacional. O novo integrante da lista é a Recopa Sul-Americana de 2011. Com excelente primeiro tempo de Leandro Damião, autor de dois gols, o time gaúcho bateu o Independiente por 3 a 1 e conquistou o bicampeonato.

Damião sobrou. Chegou a 34 gols na temporada e virou o grande protagonista do título. Kleber, cobrando pênalti sofrido por Jô, fechou o placar depois de o Independiente descontar. No primeiro jogo, na Argentina, o time de Avellaneda havia vencido por 2 a 1.

Assim, o Inter repete a conquista de 2007. Já são oito títulos internacionais desde 2006 – duas Libertadores, um Mundial, uma Sul-Americana, uma Copa Suruga e uma Copa Dubai completam a coleção. O título embala o Inter para o Campeonato Brasileiro. E tem Gre-Nal. Domingo, os colorados encaram seu maior rival no Olímpico.

O futebol certamente não era a preferência de Nietzsche, pensador dos mais pirados (e dos mais geniais), quando ele criou a tese do eterno retorno. Em um resumo simplista, é como se o mundo vivesse um ciclo em repeteco infinito: o passado, o presente e o futuro ocorrendo repetidas vezes, eternamente, sempre com os mesmos fatos. Se não entendeu, peça explicação a um colorado. Ele acorda, todos os dias, com a certeza de que Leandro Damião fará gol.

O Inter vive em um paradoxo de tempo e espaço. Está em eterno retorno por causa de seu camisa 9. O passado de gols dele, o presente de goleador dele, o futuro certamente de matador dele parecem se juntar a cada instante, se repetir a cada dia. Os gols de ontem são os gols de hoje e serão os gols de amanhã – um pouco diferentes uns dos outros, é bem verdade, mas sempre presentes.

Exageros à parte, não foi brincadeira o que o camisa 9 do Inter fez nos primeiros 45 minutos do jogo contra o Independiente. Ele marcou dois gols, quase deixou mais um, quase encerrou a carreira de Gabriel Milito, zagueiro com pompa de Europa, ex-jogador do Barcelona, que vai passar alguns dias se perguntando de onde saiu esse centroavante.

Cinco minutos separaram os dois gols. No primeiro, aos 20, Damião passou reto por dois marcadores pela ponta direita, especialmente por Milito, avançou área adentro e bateu. De bico. O mesmo jogador que havia feito um gol de bicicleta contra o Flamengo agora marcou de bico. Belo gol.

Aos 30, aconteceu o segundo. A bola viajou até a direção onde estavam Damião e Milito. No corpo, o colorado ganhou a jogada. A bola tocou no chão, subiu e já encontrou a chuteira do centroavante. Foi uma pancada em diagonal. Golaço.

Não foi tudo. Damião deu chapéu em um marcador e saiu fazendo embaixadinhas de cabeça. O Beira-Rio soltou um grito coletivo de prazer estético. O mesmo centroavante quase fez outro. Mandou uma patada cruzada. A bola voltou a encontrar a rede, mas por fora.

Mas havia um porém, um aviso, um recado. Por duas vezes, o Independiente chegou com força no ataque. Poderia ter diminuído, levado o jogo a um placar que renderia prorrogação. O sinal ficaria mais claro no segundo tempo.

Susto antes do título

Parecia encaminhado o título. Só parecia. Veio o segundo tempo, e com ele, a galope, veio o susto. Com apenas três minutos do período final, a defesa colorada vazou (o que também passa um sentimento de eterno retorno: acontece sempre), e Maxi Velázquez recebeu dentro da área, acossado apenas por Elton, para mandar chute forte. Muriel não teve muito a fazer. Era o gol do Independiente.

Ficou ruim. E poderia ter ficado ainda pior. Muriel fez defesa muito difícil em pancada de Ferreyra. No rebote, Pérez arrumou o corpo para empatar, mas Kleber cortou na hora certa.

A torcida tentava apoiar. Mas era palpável a tensão no estádio. O Inter se ajeitou em campo e quase ampliou – primeiro com Índio, de cabeça, depois com Dellatorre, parado pelo goleiro Navarro. E aí veio outra má notícia. D’Alessandro sentiu fisgada muscular e teve de ser substituído.

Andrezinho entrou no lugar dele. Jô também foi a campo, na vaga de Dellatorre. O Independiente passou a dar sinais de satisfação com o resultado. E foi punido. O goleiro Navarro fez pênalti em Jô. Kleber partiu para a cobrança. E fez. Era o gol do título.

Aí foi esperar, foi deixar o tempo passar, foi contar os minutos até mais um título. Doce rotina: desde 2006, ano após ano, o Inter conquista pelo menos um troféu estrangeiro. Também é um eterno retorno… (Fonte: globoesporte.globo.com)


.:: Seleção Brasileira – Brazilian National Football Team ::.
Confira todos os jogos da Seleção Brasileira de futebol aqui.
All the matches of the Brazilian National Team hear;
www.jogosdaselecaobrasileira.wordpress.com
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: